terça-feira, agosto 26, 2008

Sinto-me mal

É, sinto-me mal.
Pelo simples fato de não saber o que fazer.
Pelo simples ato de ter de me por a escolher.
Lutando calado pelo meu meio medo estranho de como não-viver.
Sim.
Tudo se resolve pra você.
Tudo se mostra sempre belo e radiante a partir do seu grande sorriso.
E eu sempre me perco.
Mas não!
Hoje não!
A partir de amanhã vou exercitar minha lucidez.
Chutar a cada vão momento esse ínfimo direito de embriaguez.
E como não sentir-se mal?
Seria um orgulho ferido?
Um ciúme perdido?
Ou um falso desejo de pular por sob algo, sentir-me novamente confortável.
Mas não.
"Nada, nunca será como antes."
Palavras fatalistas, eu sei.
Quero minha paz de volta, meu sossego de antes.
Em menos de 72 horas tudo mudou pra você, assim sendo, minha prometida reflexão se dá por encerrada.
Sim.
É isso.
Meu tal "não-sei-o-que" sempre buscado se foi inevitavelmente.
E eu me sento num cadeira de plástico.
Num dia frio de inverno.
Lutando comigo mesmo para não cair, não mostrar meus pensamentos.
Minha face continua sempre a mesma expressão.
Em um dito momento, uns "achismos" logo fazem sentido.
Logo tudo se mostra, se deduz, facilmente se configura.
Hoje, hoje não, agora!
Todas as especulações se findam, todas as teorias da conspiração se determinam como nulas.
Agora, vou ali ouvir Mary-Christ me dizer que eu não sei de nada.
É, continuo não sabendo.

7 comentários:

Tangerine disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daniela disse...

As coisas vão melhorar, acredite.

Tangerine disse...

Não poderia deixar de elogiar a contrução quase que perfeita desse seu pensamento. E tantas conclusões se pode tirar dele...muito bom. =D

GABRIELA disse...

MelDells!!! O texto é de sua autoria??? PERFEITO!!!

Traveler disse...

É de minha autoria sim. Brigado! =D

Nanna*.* disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nanna*.* disse...

Simplismente perfeito, lindo esse texto... Tem tudo a vêr comigo!