quinta-feira, outubro 02, 2008

"A caneca está cheia, não posso ir agora..."

Chegam a pontos estranhos as coisas.
Em que uma pessoa passa a ter menos importância que uma caneca.
Cheia, mas não justifica.
Mas é assim mesmo, nada de novo, nada de grandioso, nada de importante.
Invariavelmente, somos sempre os mesmos, por mais que cantemos aos quatro cantos do mundo nossa mudança, em escência, creio eu, dificilmente mudamos.

É complicado ver como nós acabamos nos perdendo em nossos próprios erros ou nos erros que atribuíamos aos outros.

Conversas e mais conversas.
E no fim, pra que?
Pra se abdicar de algo por outra coisa e, chegado o momento, ter que ir pra casa?
"30 minutos é muito tempo"
Com certeza, muito tempo.
Com certeza, pouco tempo.

Alguém estava feliz e tranquilo onde estava.
Esperava somente o amanhã e não ficava com aqueles lacinantes pensamentos.
Uma consciência limpa, como algo há muito tempo não visto.
Mas, a pedidos, ele saiu, saiu de seu conforto na esperança de algo maior.
E não aconteceu.
No fim, ele chegou a conclusão:
"Vou pra casa, me disseram que 30 minutos é tempo demais pra ficar esperando..."

2 comentários:

Schuck disse...

Liberdade e esperança: valores em falta. Beijos!

Livia Queiroz disse...

Até um minuto já virou tempo demais pra ficar esperando,
...é que à medida que o tempo passa sem que percebamos, vamos ficando impacientemnte feios do lado avesso, e perdendo o que tinhamos de mais terno mas só antes dos sete anos!

hehe

adoreiiii