quarta-feira, outubro 15, 2008

Esperança, quem sabe, esperança.


Vazio. Ou talvez tédio.
Tristeza. Ou talvez solidão.
Cansaço. Ou talvez impotência.
Amor. Ou talvez ódio.
Esperança. Ou talvez utopia.
Esperança. Ou talvez amor.
Esperança, quem sabe, esperança.

Peso. Ou talvez frio.
Responsabilidade. Ou talvez obrigação.
Ódio. Ou talvez não entendimento.
Lentidão. Ou talvez fadiga.
Esperança. Ou talvez ilusão.
Esperança. Ou talvez carinho.
Esperança, quem sabe, esperança.

Olhos. Ou talvez luz.
Bocas. Ou talvez poços.
Pele. Ou talvez desertos.
Mente. Ou talvez inteligência.
Esperança. Ou talvez miragem.
Esperança. Ou talvez um afago.
Esperança, quem sabe, esperança.

Amor. Ou talvez um amor.
Carinho. Ou talvez um carinho.
Afago. Ou talvez um afago.
Esperança, quem sabe, esperança...

3 comentários:

Simone Schuck disse...

Esperança é isso mesmo: é um "quem sabe". Só grandes homens podem transformá-la em realidade. Assim como você fez no poema :)
Beijos!

Nanna*.* disse...

Lindo...
Fico enternecida com teus textos.
São profundos, alcançam a alma...
Parabéns!

Venho sempre aqui... gosto de seus pensamentos!!!

Beijão.

Andressa Pacheco disse...

Oláaaaaaaaaaaa!!! :)

Nossa, uma confusão de sentimentos gritando heim?

Poesia bonita a profunda a sua. Sabe usar bem as palavras.

A esperança, mais uma vez é a chave que é capaz de abrir a porta de um novo mundo, por mais impossível que isso possa parecer...

Beijãoooo :*****