terça-feira, maio 26, 2009

Mais um sem título

Vou ser sincero, em alguns momentos pensei em acabar com esse blog. Não apagá-lo, mas deixá-lo ai, eternamente vagando pela rede com alguém de vez em quando lendo essas linhas. De uns dias pra cá ando meio sem saco pra muita coisa, meio sem paciência mesmo.
E isso é um problema.

Depois de muito refletir, achei que ele deveria continuar a ser alimentado, retro-alimentado e por ai vai. Fato é que eu gosto de escrever do mesmo modo que gosto de música e cinema. Enfim, isso aqui é uma terapia, muito boa e barata ;).

Assim sendo, creio que ainda haverão de vir outras estações por ai, derramando no meio desses caóticos bytes e protocolos os meus não menos caóticos pensamentos. Dizer que eu me acho louco soa até meio clichê, eu sei. Fato é, as vezes eu sou clichê, todo mundo é, afinal de contas, nós todos vivemos sendo influenciados por tudo a nossa volta e quem pensa o contrário, a meu ver está errado.

Na verdade só esta imune às influências externas quem está em estado vegetativo, coma e etc. Tudo bem, até sobre isso existem controvérsias.

Dia após dia todo mundo acorda, toma banho, come, morre, fica feliz, triste, caminha, anda de carro, ônibus, bicicleta, olha, ouve, encontra um amigo, fica com raiva, ódio, cansaço.
Todo mundo todo dia sorri.

E onde se situa o indivíduo nesse mar de rotina? Seria pretensão eu me achar melhor do que alguém que larga tudo o que faz para assistir novela? Seria pretensão minha chamar de fútil e inútil alguém que só liga para roupas de marca e tênis da moda?
Sim, creio eu que seria.
Por mais que alguém se deixe levar pela correnteza da nossa estrutura social, não quer dizer que ela não tenha sonhos, como eu tenho.
A grande questão é que muitas vezes acabam por não perceber que são inevitavelmente levadas pela massificação.

No fim das contas, é simples entender como muita gente se deixa influenciar por isso. A conclusão é bem simples: todo mundo prefere o que é mais fácil. Isso é uma característica humana, procurar pelo caminho mais fácil e mais tranquilo, sem tantos percalços. A grande questão é que esse comodismo que tanto nos fascina, nos faz ficar muitas vezes no mesmo lugar.
E esse é o grande problema.
Todo mundo precisa evoluir.

7 comentários:

Dot disse...

é bom passar por aqui. Perceber que por mais que os caminhos se tornem turvos e caoticos, ainda assim, posso encontrar gente que pensa e reflete sobre si e sobre o mundo ao seu redor. Continua indo. Aprndendo e se tornando cada vez melhor. E nao esquece de amar, de entregar o coracao na mao de outro alguem de vez em quando...

Traveler disse...

eh, com certeza. Uma hora a gente acerta no amor =)

Devaneios baratos.. disse...

Olá, gostei muito do seu post! Eu sempre critiquei ferrenhamente as pessoas alienadas que se deixam levar pela programação da TV (aberta) e formam toda a sua opinião a partir daquilo. Mas aí passei por uma fase difícil, muitos problemas na cabeça, o tempo todo pensando mil coisas ao mesmo tempo, e quando me dei conta eu estava todas as noites assistindo novela e um monte de programa besta e aquilo tava me fazendo bem (aparentemente). Mas foi aí que eu entendi pq as novelas fazem tanto sucesso, é muito mais fácil pra o pessoal que trabalha o dia todo, que tem mil preocupações : contas a pagar, filhos dando trabalho, aluguel, etc.. assistir algo que o distraia, faça esquecer sua rotina (sua vida real totalmente diferente do que ele está assistindo) e que não exija reflexão nenhuma. É cômodo. E eu naquele momento queria isso, esquecer meus pensamentos e ficar ali vendo estórias fora da minha realidade!!

Mr. Guima disse...

"Todo mundo precisa evoluir."

A questão é bem essa mesmo.

Andressa Pacheco disse...

"A Televisão
Me deixou burro
Muito burro demais
Agora todas coisas
Que eu penso
Me parecem iguais"

Ei, tem vezes q me afasto um pouco do mundo blogueiro. Acho q o mais importante é sentir prazer em postar. Teve uma época q postava tipo toda semana e tal, até mais por se sentir na orbigação disso. Agora relaxei. Posto só quando tenho vontade, quando bate a inspiração... e por ai vou levando.
bjs

Andressa Pacheco disse...

*obrigação

Marília. disse...

Seu post me fez lembrar de que eu gosto muito de observar as pessoas em shoppings, praças, ônibus. Eu consigo ficar um dia inteiro só olhando as pessoas passarem. Normalmente eu invento vidas diferentes pra elas, tento imaginar como é a vida de cada uma, o que estão sentindo. É meio estranho olhar a vida, assim, de fora. Sei lá. Não é pra fazer sentido isso aqui, hehehe. Eu sou bem incoerente. :\