sexta-feira, agosto 27, 2010

Dias tensos

 

Estranho.

Alguém por favor me explique porque algumas pessoas sentem tanta necessidade de contar pra deus e o mundo os seus problemas pessoais.

Pior ainda: contar alto, para que não somente seu interlocutor escute seu glorioso discurso, mas também seus queridos colegas de trabalho, que, na cabeça desses abençoados tipos de pessoa, não devem se incomodar em ficar o dia todo ouvindo histórias sobre partos, bebês, crianças, casamentos, atividades escolares, fofocas e todo tipo de coisa pessoal.

Sei que deve existir gente que não se importa, talvez pessoas que até gostem de se deliciar nos problemas e delícias do viver alheio, mas eu, particularmente, ODEIO MUITO TUDO ISSO!

Sério!

É no trabalho, no ônibus, no curso, em todo lugar.

Parece que essas pessoas me perseguem!

Porque ninguém conversa sobre os filmes que estão em cartaz, sobre os nossos ilustres candidatos tentando se eleger ou sobre toda a problemática da derrubada das barracas de praia em Salvador?

Não.

Falar sobre sua própria vida é bem mais interessante! Contar todos os detalhes do nascimento do seu querido filho ou como foi a sua ida ao médico semana passada é bem mais importante e enriquecedor para as pessoas a sua volta.

E claro, todos temos que dar a devida atenção, caso contrário, ainda somos tachados de chatos e insensíveis...

Ai, ai...

Quando acabar o maluco sou eu!

8 comentários:

Anônimo disse...

Hã? Vc já teve cabelo grande???
oO

Luz! disse...

ow. não sou só eu que me irrito seriamente com os pequenos percalços da vida em sociedade, né?

parece pouco, parece bobo, mas essas coisinhas têm um poder gigante de tirar-nos do sério...

Aline Oliveira disse...

Prometo não falar do parto, viu? rs

Pois é. As pessoas insistem em fazer drama de tudo!

Traveler disse...

aheuaehuaehae, de boa poinca! kkk e pois eh Luz, essas pequenas coisas vão nos remoendo e só muito trabalho psicológico pra não ficar maluco de vez! hahaha

Luz! disse...

esquema pro empréstimo do outro livro do kerouack: pedir a oreah. hihihih.

é que é dele... ele quem me emprestou esse + on the road.

até comentei com ele que do tristessa não gostei muito não. achei doido demais pro meu gosto. mas fui até o fim! rs

eu vou devolver pra ele no som de domingo. qq coisa vc já pega.. :)

.bárbara disse...

hahahaha nem me fale...tudo bem que eu tb conto as coisas....mas não é alto...o.o


de qq forma, tem coisa que as pessoas não privam nossos ouvidinhos..

Então... FONE DE OUVIDO neles (quero dizer em nós mesmos, ouvimos música e evitamos a fadiga)!!

afff!

:**

Jorge disse...

cara! é o vazio, não ter o que contar, é falta do que fazer. e se não falam de suas vidas, falam de coisas fúteis. Vão viver, ler livros, assistir a filmes, sair com amigos, ir ao teatro, ir a um show. Mas viva!

Marcos Sá disse...

Então, cara... Vc nem me conhece. Vi o seu blog através do Twitter de Jair. Achei o texto interessante. Acho q tem 2 tipos de pessoas que fazem isso.. Aquelas que rezam pro mundo inteiro escutar (o que eu acho penoso, chato pra caralho...) e as que divulgam as coisas que acontecem (de ruim) com elas, a fim de ver se acontece com outras pessoas tb. É como se fosse um grito de desespero, bicho, pois não acredita que aquilo esteja acontecendo com ela. Ao menos, é a forma como eu penso sobre essas pessoas.

Um grande abraço.
Se quiser visitar lá o meu blog pra dar uma lida tb...

www.profmarcosdorian.blogspot.com
Até mais ver...