quarta-feira, julho 30, 2008

Um corpo contra o vento. (Ou o vento contra o corpo)

É.
Faz um bom tempo.


Ouvindo aqui aquelas músicas que me encantavam tempos atrás, percebo que elas possuem o mesmo efeito.
E nossa, isto é maravilhoso!

As vezes acho que desaprendi as regras gramáticas.
Onde vão os acentos, os pronomes, os substantivos.
Meu vocabulário aos poucos vai se acabando, se esvaindo, e ai?
O que eu faço?
Vou inventando novos prováveis afazeres de arrumações vocabulantes.
Novas frases totalmente desacordadas dos tais padrões estabelecidos muito antes de eu ou qualquer parente que eu tenha conhecido tenha nascido.
Mas é assim mesmo.


É dose ver quantos filhos de mulheres que trocam favores sexuais por dinheiro (tirem suas conclusões) existem por ai.

Mas eu já me acostumei, eu vou é tentando levar essa chatice de mundo pra frente.
Continuar descostruindo minhas próprias frases, inventando meus novos paradigmas, chutando um ou outro balde de vez em quando.
E repetindo minhas próprias palavras.

É, sempre faço isso.
Acho que é algo meio como falta de inspiração pra coisas novas.
Ou não.

Na próxima eu tomo umas cervejas por ai e venho escrever.
Deve acabar saindo algo bem interessante, acho que minha mente funciona melhor.
Mas enfim, em meio a toda essa clichezada que me tira sempre a paciência.
Me deixa puto mesmo, sabe qual o melhor que faço?

Ir dormir.
Goodbye cruel world.
Ah, outra coisa.
O David Lynch veio no Brasil e eu não pude ir vê-lo.
Saco ¬¬.

Agora sim:
Vou dormir.
Goodbye, blue sky.
Goodbye, cruel world.
Goodbye.

5 comentários:

Tangerine disse...

"O que é mesmo um adverbio?" Huahauhauha

Daniela disse...

Que nem aquela música do Legião Urbana: " Sei que as vezes uso palavras repetidas, mais quais são as palavras que nunca são ditas? "
E cerveja? me chama pra ir junto! HUhaua

Um poço de disse...

uiaaaa
não sabia que seu blog ainda estava ativo!

vou favoritar...e hummm

gostei viu? mas o mundo não ´pe uma chatice quando não é um chato vivendo no mundo.

:*

Livia Queiroz disse...

Mto bom o post...


"Quais são as palavras que nunca são ditas?"

Acho que Michael Ross seria um belo parceiro pra "novos prováveis afazeres de arrumações vocabulantes".
Embora George juuuuuuure que ele seja de Caxixi! rsrs

Semana q vem tem mais!

passa no meu blog

http://queiroz19.blogspot.com/

Gabriela disse...

Neologismo em alta. Acho digno.
"É dose ver quantos filhos de mulheres que trocam favores sexuais por dinheiro (tirem suas conclusões) existem por ai." Adorei o eufemismo huahauhauahua...kisses!