terça-feira, maio 12, 2009

Karen Revisited

O título me lembra um poema do Pessoa, "Lisbon Revisited".
Diferente da música, o poema tem um tom mais melancólico, como quase tudo do Pessoa:

"NÃO: Não quero nada.
Já disse que não quero nada.
Não me venham com conclusões!
A única conclusão é morrer. Não me tragam estéticas!
Não me falem em moral! Tirem-me daqui a metafísica!
Não me apregoem sistemas completos, não me enfileirem conquistas
Das ciências (das ciências, Deus meu, das ciências!) —
Das ciências, das artes, da civilização moderna!

Que mal fiz eu aos deuses todos?
Se têm a verdade, guardem-na!
Sou um técnico, mas tenho técnica só dentro da técnica.
Fora disso sou doido, com todo o direito a sê-lo.
Com todo o direito a sê-lo, ouviram?"


Sabe quando você escuta algo que parece tão inacreditável de ser real que você fica em dúvida se existe ou não?
É lindo quando duas coisas combinam perfeitamente, se encaixam perfeitamente. Causam a impressão de uma dia terem sido uma unidade e foram separadas por algo ou alguém.
Elas se fundem perfeitamente para criar uma nova coisa mais bela que as anteriores.
E assim, parece o mundo ir se definindo, nessa junção e separação de realidade.
Tanto o que se toca quanto aquilo que é abstrato são partes de algo que não existe separadamente.
Nem pode existir.

Fiquem com a música:

2 comentários:

Tangerine disse...

Nossa, era o que eu quria escrever =O

Simone Schuck disse...

Não é o meu ritmo de hoje, mas essa letra... demais! E tudo a ver com o poema, que eu sou apaixonada!