domingo, julho 11, 2010

Eu sei quem você é, mas o que sou eu?

Ah, essa brisa matinal, dominguesca, domingueira, dominadora dos meus sentidos.
Ah, esses gostos afáveis na minha boca, entidades guiantes em minha vida, luxos, presentes que dou a mim mesmo, na nobre tentativa de elevar uma certa auto-estima.

E o dia passa, as horas, minutos, segundos passam, velozes, dinâmicos, engessados.
E eu quero ir, mas quero ficar.

Quero poder entender tudo, ter tudo, compartilhar o todo, celebrar nossa breve existência, podendo assim, quem sabe, deixar algo que dure mais do que meu corpo, que minha mente, minha energia.

Acima de tudo, quero compreender as pessoas, achá-las belas pelo que fazem, pelo que acreditam. Todos tem os seus motivos, nobres ou não, e todos, sem exceção, estão certos, para eles próprios.

3 comentários:

Mr. Guima disse...

"e todos, sem exceção, estão certos, para eles próprios."

man, tem dias que você morre.
kd aquela cerva?

e nem me venha dizer "liga ai!"

mari + poesia disse...

Belo post!
beijos Traveler

.bárbara disse...

é..e é estranho.Querer sentir tudo e no fim vem uma frustração por não conseguir essa absoção imensa...

a tal felicidade que vem gritante e rasga tudo, mas mesmo assim não completa.

Somos um poço sem fundo de se sentimentos!

Mas sim, continua tentando..sentir tudo e a todo momento..faz bem estar no presente..sentir-s no presente.

abs!